Sunday, October 22, 2006

Esquerda vs. Direita?

Uma universitária andava no quarto ano da Faculdade. Como é comum no meio Universitário, pensava que era de esquerda e estava a favor da distribuição da riqueza. Tinha vergonha de que o seu pai fosse de direita e, portanto, contrário aos programas socialistas e seus projectos de lei, que davam benefícios aos que não o mereciam e impostos mais altos para os que tinham maiores rendimentos. A maioria dos seus professores tinha afirmado que a filosofia dele estava equivocada. Por tudo isso, um dia, decidiu enfrentar o pai. Falou com ele sobre o materialismo histórico e a dialéctica de Marx, procurando mostrar que ele estava errado, ao defender um sistema tão injusto como o da direita. No meio da conversa, o pai perguntou: Como vão as aulas? Vão bem, respondeu ela. A média das minhas notas é 18, mas tenho muito trabalho para conseguir estas notas. Não tenho vida social, durmo pouco, mas vou em frente. O pai prosseguiu: E a tua amiga Sónia, como vai? Ela respondeu, com muita segurança: Muito mal. A média dela é 6, principalmente, porque passa os dias em shoppings e em festas. Pouco estuda e, muitas vezes, nem sequer vai às aulas. De certeza que vai chumbar o ano. O pai, olhando nos olhos da filha, aconselhou: Que tal se tu sugerisses aos professores ou ao coordenador do vosso curso, para que sejam transferidos 6 valores das suas notas para as da Sónia. Com isso, vocês duas teriam a mesma média. Não seria um bom resultado para ti, mas convenhamos, seria uma boa e democrática distribuição de notas, para permitir a futura aprovação de vocês as duas. Ela, indignada, retrucou: Por quê?! Eu trabalhei muito para conseguir as notas que tive, enquanto a Sónia passeou pelo lado fácil da vida. Não acho justo que todo o trabalho que tive seja, simplesmente, dado a outra pessoa. O pai, então, abraçou-a carinhosamente, dizendo: BEM-VINDA À DIREITA!!!!

Saturday, October 21, 2006

Mundo Bizarro


Fodess.......

Oasis homenageados com prémio carreira nos Brit Awards de 2007


http://brits.co.uk/press/2006.10.19.php

Os Oasis têm uma carreira invejável e a muitos títulos inagualável. Lançaram o primeiro album em 1994 (Definitely Maybe) e, no espaço de 2 anos ( e com o segundo album de 1995, What's the Story, Morning Glory), dominaram a cena musical à escala mundial, com concertos para centenas de milhares de pessoas, consecutivamente esgotados (Earls Court,Maine Road, Knebworth) e, ao mesmo tempo, revitalizaram a música pop inglesa, e mesmo a cultura inglesa dos anos 90 (mas sem dúvida nenhuma!), sendo os cabeça de cartaz do chamado "brit-pop". De 1994 a 1997 os Oasis foram a banda a ter em conta. Isto é facto assente e inegável. Quem disser o contrário é parvo. Em 1997 lançaram o seu terceiro album, Be Here Now (um excelente album, já agora...), e para muitos foi o início do fim. O album vendeu 8 milhões de cópias em todo o mundo, mas ainda assim foi considerado um fracasso comercial. Os seus sucessores, Standing On the Shoulder of Giants (2000), Heathen Chemistry (2002) e Don't Believe the Truth (2005) superaram sempre o milhão de vendas e ainda assim, foram considerados fracassos comerciais, apesar de, tal como os anteriores, terem sido nr. 1 nas tabelas de vendas do Reino-Unido. Primeira conclusão: o sucesso comercial e mediático dos Oasis, em 12 anos de carrreira é inegável, são ainda hoje uma banda que aparece recorrentemente nas capas de toda a imprensa musical britânica, façam ou não música.
Do ponto de vista da qualidade musical os Oasis são provavelmente a banda que reune menos consenso. Sim, eles roubam ostensivamente riffs aos Beatles, aos T-Rex, aos Slade, aos Who, até ao Stevie Wonder. Eles usam a mesma fórmula desde a primeira demo. E ainda assim são geniais. Obviamente que muitas bestas com deficiências auditivas não o conseguem reconhecer, provavelmente por dor de corno, com argumentos do género "a roubar o que os outros fizeram também eu conseguia", ou então simplesmente porque os Oasis têm demasiado sucesso para poder ser apreciados por atrofiadozinhos que acham que a maior sala de espectaculos em que uma banda pode aspirar a tocar é a sala de estar das suas casas, ou então estão a vender-se. A verdade é que as letras, as guitarradas, o espírito presente em TODAS as músicas dos Oasis, colocam-nos ao nível dos melhores. Boa música não tem de ser inovadora. Isto apesar de haver momentos menos brilhantes na carreira dos Oasis. De facto o Standing On The Shoulder Of Giants não foi de todo o album que deveria ter sido. Ainda assim, segunda conclusão: musicalmente os Oasis são brilhantes.
Dito isto, vamos à vaca fria, o prémio "Outstanding Contribution to Music" a ser atribuído aos Oasis nos Brit Awards de 2007. Numa palavra: palhaçada.
Este tipo de prémios sempre me pareceu uma homenagem a alguém que está prestes a bater a bota e de quem não se espera mais nada de relevante. Os Oasis estão muito longe de ter chegado ao fim da carreira, vão lançar um album novo em 2007 (ao que tudo indica) e aposto aqui um dos meus rins em como vai chegar a nr 1 do top, vai haver uma tour completamente esgotada, vão ser cabeças de cartaz dos festivais de Verão mais importantes (Glastonbury 2007, aposto o meu outro rim!). E além disso tudo, vai ser um excelente album (se tivesse mais rins apostava-os!).
Por outro lado, isto não é mais do que uma campanha de marketing do pessoal que organiza essa fantochada que são os Brit Awards. Ao fim de quase 20 anos os Brit Awards voltam a ser transmitidos em directo na tv, daí precisarem de um cabeça de cartaz que garantisse uma audiência esmagadora. É no mínimo ridículo que uma banda que ganhou DOIS Brit Awards em 12 anos de carreira seja distinguida com este prémio. Será que de repente há aqui uma tentativa de salvação da cruz, do pessoal que organiza os Brit Awards? Não estam nada a tempo....temos muita pena.
Ponto positivo disto tudo. Os Brit Awards de 2007 vão ser o maior deboche televisivo dos últimos anos. Lembram-se de quando o Jarvis Cocker dos Pulp, durante a actuação do Michael Jackson, nos Brit Awards de 1995, decidiu mostrar o seu CU ao mundo, ou dos discursos de agradecimento em 1995, dos Oasis, com dedicatórias especiais aos Blur, que deram cabo da cabeça aos senhores do lápis azul dos Brit Awards? Pois, é disto que a casa gasta, e isto é muito bom e vai ter direito a tempo de antena! Do mal, o menos....

Thursday, October 19, 2006

Mundo Bizarro




Sabiam que os aborígenes do deserto do Kalahari têm o pénis SEMPRE semi-erecto?

The Killers - Sam's Town


Este album é brilhante, simplesmente genial. Um dos albuns do ano certamente.
Os Killers tinham de fazer aquele segundo album difícil e conseguiram-no com sucesso. Obviamente há por aí muitas bestas com deficiências auditivas que se mostram horrorizadas com Sam's Town. Obviamente a maioria dessas bestas com deficiências auditivas vêm todas da mesma terra: USA. E tudo porque Brandon Flowers, o vocalista dos Killers, afirmou que para este album se tinham inspirado na obra do Bruce Springsteen e, consideram essas bestas, acabaram por deturpá-la. Ora bem...vamos por partes. Primeiro, essas bestas não têm razão: Sam's Town é melhor do que qualquer coisa que o Bruce alguma vez fez. Em segundo lugar, não tem nada a vêr com Bruce Springsteen. E além destas há ainda as bestas que dizem mal de qualquer segundo álbum de qualquer banda, mal ele acaba de sair, independentemente de ser ou não bom. No fundo, pessoal que se ouvisse agora o Revolver ou o Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band diria que "os Beatles se tinham vendido e que já não eram a mesma coisa que eram em Rubber Soul!". Vão todos mamar na quinta pata de um cavalo que é o que vos fazia bem.
A mistura de guitarras e sintetizadores de Hot Fuss continuam presentes em Sam's Town, as melodias relembram (apenas) o melhor que Hot Fuss ofereceu (When you were young, Bones, Read My Mind), apesar de ser um album que a espaços é ligeiramente mais agressivo, o que de resto acaba por soar bastante bem (Uncle Johnny, This River Is Wild).
Os Killers mostraram logo em Hot Fuss o seu toque de midas, ao misturarem as melhores melodias com a teatralidade e pomposidade (!), lançando algumas das faixas para a categoria de clássico instantaneo (Mr. Brightside, Somebody Told Me, All These Things That I've Done). A questão é que todos estamos habituados a que as bandas consigam em cada album atingir esse patamar umas duas ou três vezes. Os Killers em Sam's Town trocaram-nos as voltas todas. Com a excepção de My List e dos Enter e Exitlude, TUDO pode ser um single de sucesso (até Bling- Confessions of a King- que tem o título mais pavoroso de sempre na história da música). No fundo, este album é tudo aquilo que a música pop deve ser: acessível sem ser comercial, simples no que tem a dizer sem ser fútil, teatral sem ser espalhafatosa e, acima de tudo, repleta de melodias que ficam instantaneamente no ouvido, sem serem irritantes.
Resumindo e concluindo. Os Killers lançaram aquele que será certamente um dos 3 albuns do ano (onde já está Whatever People Say That I Am, That's What I Am Not, dos Arctic Monkeys, e onde esperamos, estará o novo dos Bloc Party...logo a seguir o dos Razorligh!) e continuam a fazer o melhor britpop americano!

no entretanto.....

ora bem, 6 meses é muito tempo....quase meio ano...daqui a 3 meses podiamos ser pais, ou mães...tanta coisa que acontece em 6 meses:

Maio: Porrada em Timor-Lorosae. Claro que quandou ouviram dizer que a GNR ia para lá ficaram cheinhos de medo e pararam logo tudo....

Junho: Mundial de Futebol na Alemanha - ficámos em 4º lugar, ganhámos 5 jogos (um em penalis), perdemos dois. A Alemanha, esse Estado civilizado, de pessoas de bem, foi invadido por bestas de bigode a cheirar a coirato...Na próxima guerra mundial somos os primeiros a ir pessoal, tá tudo lixado. Mas a coisa até correu bem. Não batemos em árbitros, não batemos noutros jogadores, não partimos balneários, o povo ficou feliz e os jogadores pediram para não pagar impostos!

Julho: Ressaca de mundial e bifas no Algarve...

Agosto: Platão deixou de ser planeta...O trauma conduziu-o a uma vida de droga e putedo.

Setembro: Caso Mateus - mais um episódio "show de bola". Eis que surge um novo herói nacional, o grande António Fiuza, presidente do Gil Vicente. Providências cautelares, interesses públicos, UEFAS, FIFAS, Rui Santos a pedir a impugnação do campeonato, cunhas e deslealdades, tudo homens valentões...Resultado final: Mateus não aparece há 2 semanas nos treinos do Gil Vicente porque quer ser transferido.

Outubro: O secretário de Estado da energia diz que a culpa dos aumentos do preço da electricidade é dos consumidores porque andaram 20 anos a pagar tarifas inferiores ao preço de mercado. Fez-se luz!!!

A Ressurreição!


Ei-lo de volta!Ao fim de (quase) 6 meses o Blog Party está de volta, para trazer luz sobre as trevas que se instalaram na sua ausência, salvar o mundo da perdição e educar algumas bestas que andam por aí.
Será que desta é para ficar?
Será que (est)a ressurreição não passa de uma sequela foleira?será que nos vendemos, deixamos de ser "old school", para sermos adorados pelas massas?
Ai Jesus...Valha-nos Deus....

Monday, April 24, 2006

I'd like to teach the world to sing



não desesperem mais...este é o blog que vos vai dizer o que é música e o que é barulho...

Sunday, April 23, 2006

it's a very mad world


o blog que vos vai provar que este é um mundo bizarro...e ninguém está a salvo!muahahahahaha!!

Just to tease you...;)

Isto é só para vos deixar curiosos...!...e ficarem com uma pequena amostra do que poderão encontrar por aqui...hummmmm...voltem sempre! ...e deixem os vossos comentários......:)
...e nunca se esqueçam de ser felizes!!

and now for something completely different....

e para começar um pequeno momento de humor.divirtam-se!

Saturday, April 22, 2006

e de hoje em diante nada será igual!
o blog que será lido por quem quer ser gente...um espaço de ideias, de cultura e de parvoice!
divirtam-se!

Do you wanna be my partner?

Lets start a revolution from our beds....
come on... don't be hard to get ;)

and so it started

vamos ver no que isto dá....este blog será um repositório de fotos de viagens, comentários de cinema, musica.....e enfim o que se quiser